Portal BEI

Lidere como uma mãe: comunicação | InvestNews

Fonte: Valerie Cockerell

Já ouviu sua mãe dizer: “O que eu acabei de dizer?”. Provavelmente isso foi dirigido a você no tom exasperado de uma mãe frustrada que viu seus vários pedidos se perderem.

Mas por que uma mãe faria isso? Para garantir que sua mensagem foi ouvida e compreendida. Mamãe deseja sua atenção total para garantir que você não apenas ouviu o que ela disse, mas também compreendeu totalmente.

Isto é o que um líder também deve fazer: certificar-se de que toda a equipe (e a organização em geral) compreende a sua visão, expectativas e diretivas da forma como foi originalmente concebida.

Nos dias de hoje e na era da proficiência digital, partilhamos uma ideia, sugestão ou ponto de vista, fazemos um telefonema ou pressionamos ENVIAR e muitas vezes assumimos erroneamente que, porque uma mensagem foi transmitida, ela foi compreendida.

Nas grandes organizações, confiamos em e-mails e memorandos, omitindo o fato de que uma mensagem escrita carece do tom de voz e da linguagem corporal que fornece contexto e muitas vezes indica o público-alvo pretendido. Seguem-se interpretações erradas, criando confusão e frustração ao longo do caminho.

Valerie Cockerell. Divulgação

Tal como num “telefone sem fio” onde a mensagem “secreta” das crianças se transforma enquanto viaja de orelha a orelha, a nossa comunicação assume uma forma própria à medida que chega à nossa equipe e permeia toda a nossa organização. Quanto mais longe ela tiver que viajar, maiores serão as chances de ser refinada, distorcida e ajustada para atender às necessidades e interpretações de cada um e, finalmente, sair completamente alterada.

Os líderes podem minimizar o número de falhas de comunicação permanecendo conectados com as pessoas que recebem sua mensagem. Porque não há melhor maneira de garantir uma comunicação eficaz do que fazer perguntas ao público-alvo.

Assim, grandes líderes interagem periodicamente com pessoas que estão no final do canal de comunicação e perguntam-lhes “O que você ouviu? O que você pensa sobre isso? No que você está pensando? O que você entendeu?” … Sua própria versão do “o que eu acabei de dizer?”

Eles entendem que a comunicação deve ser uma via de mão dupla, em todas as direções.

Para que isso aconteça, nós, como líderes, devemos estar disponíveis e acessíveis. Melhor ainda, deveríamos nos tornar acessíveis. Ter uma chamada “política de portas abertas” não é suficiente.

Pense nisto: é difícil e intimidante para um membro da equipe tomar a iniciativa de interagir com um líder, especialmente quando há vários níveis de hierarquia entre eles. Que oportunidades os membros da nossa equipe têm de interagir conosco diretamente e de maneira improvisada? Como podem canalizar suas preocupações, dúvidas, sugestões, frustrações? Eles podem fazer isso sem medo de represálias? Criamos um ambiente onde todos são não apenas encorajados, mas também reconhecidos e recompensados ​​por compartilharem o que pensam, independentemente de essa contribuição agregar valor ou não? Fornecemos respostas às suas perguntas e demonstramos que realmente valorizamos a sua contribuição?

Se aprendemos apenas uma coisa desde 2007, é que quando as pessoas não se sentem ouvidas, usarão o megafone das redes sociais. Portanto, devemos lembrar que se os membros da nossa equipe não se manifestarem, não nos surpreenderem com perguntas, não nos desafiarem com ideias, não compartilharem sugestões, frustrações ou preocupações, não significa que não tenham alguma… significa que eles não têm a oportunidade de fazê-lo.

Uma mãe sabe que quando seus filhos estão muito, muito quietos, isso geralmente significa que algo ruim está para acontecer. O mesmo acontece nos negócios. Preferimos dar aos membros da nossa equipa a oportunidade de partilhar o seu ponto de vista dentro da organização ou estamos dispostos a lançar os dados e apostar a nossa reputação na internet ou num fórum público?

Portanto, como líderes, devemos garantir que todos sejam ouvidos. Devemos ouvir com os ouvidos de uma mãe a quem é dado um raro vislumbre dos pensamentos do seu filho adolescente. E devemos estar presentes, atentos e sem julgamentos.

Quando não nos envolvemos periódica e propositalmente com os membros da nossa equipe, ou quando deixamos de agradecê-los pelo simples fato de falar, estamos demonstrando que não valorizamos sua contribuição, e isso pode efetivamente comprometer todas as futuras tentativas de comunicação.

No entanto, quando prestamos atenção ao que os membros da nossa equipe têm a dizer, ficamos mais inteligentes como organização. Somos dotados de um ponto de vista diferente e munidos de uma riqueza de informações valiosas.

Também podemos perceber que a nova ideia, processo, expectativas e visão que temos tentado compartilhar e implementar com nossa equipe se perdeu na tradução. E agora temos a oportunidade de fazer algo a respeito.

*Valerie Cockrell é autora do livro “Manage Like a Mother” (Lidere como uma Mãe: Princípios de liderança inspirados na sabedoria materna”), da Buzz Editora.

Para você: Os principais tópicos para começar bem o dia!

Compartilhe:

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram
+ Relacionadas
Últimas

Newsletter

Fique por dentro das últimas notícias do mundo dos negócios!