Portal BEI

Impacto de enchentes no RS deve perdurar até próxima safra | InvestNews

Fonte: Bloomberg

As inundações catastróficas no Sul terão impactos duradouros na agricultura, em virtude de solos encharcados que dificultarão o plantio de arroz e trigo para a próxima safra.

Produtores do Rio Grande do Sul provavelmente serão forçados a abandonar suas culturas tradicionais e adotar outras, segundo Silvia Massruhá, presidente da Embrapa. A produção de trigo, já prevista para cair 4,3% no estado na safra que começaria este mês, poderá ser menor ainda após as enchentes.

As enchentes já prejudicaram a atual safra de soja e paralisaram plantas de esmagamento que processam a oleaginosa para produção de óleo de cozinha e ração animal. Alguns frigoríficos também interromperam operações no estado, que está entre os maiores produtores de soja, trigo e arroz, além de ser grande produtor de carne suína e de aves.

“Haverá necessidade de um reajuste das atividades agrícolas e pecuárias na região”, disse Massruhá em entrevista. “O solo absorveu muita água, por isso não sabemos que parcela dos produtores de arroz ou de trigo conseguirão plantar a próxima safra ou se terão que plantar outra coisa antes, até que o solo se recupere.”

Cerca de 1 milhão de toneladas de soja podem ter sido perdidas no Rio Grande do Sul, segundo relatório do Departamento de Agricultura dos EUA na sexta-feira (10). A corretora StoneX disse que o impacto pode ser três vezes maior.

O consultor agrícola independente Carlos Cogo disse que as perdas de tratores e caminhões também devem impedir produtores de plantar trigo como planejado anteriormente. Isso significaria uma perda ainda maior do que o declínio estimado de 4,3%, para cerca de 4,2 milhões de toneladas, previsto pela Conab na terça-feira para a safra 2024-25.

A Embrapa planeja enviar pesquisadores às áreas afetadas para fazer análises de solo e diagnosticar a situação das lavouras quando o nível das águas baixar.

Exemplos de interrupções:

  • A Bunge suspendeu as operações de sua planta de esmagamento de soja em Rio Grande e interrompeu as operações em um terminal no porto de Rio Grande.
  • A Cargill retomou o esmagamento de soja em sua unidade de Cachoeira do Sul após dois dias de interrupções. Algumas atividades, como produção de biodiesel, continuam suspensas.
  • As instalações da Bianchini em Canoas foram inundadas, colocando em risco quase 100.000 toneladas de soja em seus armazéns. A empresa também suspendeu o esmagamento.
  • Pelo menos duas instalações de frango e suínos permanecem suspensas, e outras enfrentam interrupções parciais, segundo a ABPA.

Para você: Os principais tópicos para começar bem o dia!

Compartilhe:

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram
+ Relacionadas
Últimas

Newsletter

Fique por dentro das últimas notícias do mundo dos negócios!