Portal BEI

Dividendos da Petrobras (PETR4): Quantos bilhões de reais podem pingar amanhã? – Money Times

Fonte: Renan Dantas
petrobras-petr3-petr4
Para o BTG, a Petrobras terá outro forte desempenho, com os preços do petróleo apenas 1% abaixo do trimestre anterior em reais.(Imagem: REUTERS/Paulo Whitaker)

A Petrobras (PETR4) divulga os seus resultados do primeiro trimestre de 2024. Como destaque, os investidores aguardam ansiosos o pagamento de uma rodada de dividendos.

  • MONEY PICKS – UMA ANÁLISE 360º DO MERCADO: O Money Times analisou 30 carteiras recomendadas para descobrir onde estão as melhores oportunidades de investimento para maio, segundo as maiores casas de análise e bancos do país. Confira o material completo gratuitamente aqui

Na visão da XP, mesmo com a produção mais fraca, a Petrobras ainda pode gerar bom fluxo de caixa livre. Os analistas preveem Ebitda, que mede o resultado operacional, de US$ 13,2 bilhões, queda de 12% devido a menores:

  1. preços de diesel e;
  2. volume de vendas, apesar dos preços médios relativamente estáveis do Brent de US$ 82/bbl;

A corretora estima lucro líquido de US$ 4,9 bilhões, também impactado negativamente pela depreciação do real no trimestre.

“Do ponto de vista do fluxo de caixa, prevemos um FCFE de US$ 5,4 bilhões (yield trimestral de 5%), ajudado pelo cash-in de desinvestimentos de cerca de US$ 0,7 bilhão”, coloca.

Por fim, a XP vê dividendos de US$ 3,2 bilhões (yield trimestral de 3%) com base na política de 45%.

Para o BTG, a Petrobras terá outro forte desempenho, com os preços do petróleo apenas 1% abaixo do trimestre anterior em reais.

O banco calcula Etibda de US$ 14,4 bilhões, queda de 4% trimestralmente devido ao declínio da produção.

No geral, o BTG prevê geração de caixa de US$ 7,9 bilhões (fórmula de remuneração), o que resultará num pagamento de dividendos de US$ 3,5 bilhões (rendimento de 3%).

“Mais importante ainda, acreditamos que os investidores devem se concentrar no investimento da empresa, pois isso pode fornecer uma boa indicação sobre se a PBR conseguirá cumprir a sua orientação anual”, coloca.

Reforçando a perspectiva do mercado, o Bradesco BBI diz que a queda na produção da empresa, bem como os menores volumes de produtos refinados vendidos no Brasil, já era esperada, já que a Petrobras costuma realizar manutenções durante o primeiro semestre, devido à menor atividade econômica do que na segunda metade do ano.

“Com esses números, esperamos que a Petrobras reporte um Ebitda de aproximadamente US$ 13 a 13,5 bilhões no 1T24”, completa. 

A Ativa, por sua vez, projeta R$ 1,15/ação em dividendos regulares (2,8% de yield). “Apesar da expectativa pela manutenção de um dividendo forte, reforçamos nossa preferência atual por players de O&G que disponham de menor risco político e valuation menos esticado”, completa.

Para o Itaú BBA, a Petrobras vai reportar US$ 13,4 bilhões em Ebitda no trimestre, implicando um pagamento de dividendos de US$ 3,5 bilhões (dividend yield de 3,2%), de acordo com a política de remuneração.

Por fim, o BofA diz que faltam catalisadores para o papel, reiterando a recomendação neutra.

“Uma agenda mais focada no crescimento em energias renováveis ​​(gerando maiores investimentos com menores retornos) e em fusões e aquisições também traz alguns riscos para a tese de investimento da Petrobras”, justifica.

O banco vê os rendimentos mínimos de dividendos inferiores ou iguais aos dos pares para 2025.

Compartilhe:

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram
+ Relacionadas
Últimas

Newsletter

Fique por dentro das últimas notícias do mundo dos negócios!