Portal BEI

Acionistas pressionam Anglo American após nova oferta da BHP ser rejeitada | InvestNews

Fonte: Bloomberg

A Anglo American rejeitou uma segunda abordagem da BHP que avaliava a mineradora em US$ 43 bilhões. A decisão ocorre em meio ao aumento da pressão para que a empresa de 107 anos apresente uma visão convincente para sobreviver por conta própria.

Os acionistas da Anglo já estavam exigindo que a companhia acelerasse um plano de reestruturação no qual vem trabalhando desde o ano passado. A rejeição desta última oferta da BHP aumentará a pressão sobre a Anglo para explicar como vai conseguir criar mais valor do que ocorreria caso aceitasse a venda para o concorrente. Agora, planeja fazer isso na terça-feira (14).

Embora a BHP tenha aumentado sua oferta de ações, ela manteve uma estrutura que a Anglo já havia rotulado como inviável, tornando difícil para a empresa concordar com negociações nessas condições. A BHP terá que retornar com uma oferta melhorada e possivelmente uma nova estrutura se quiser fechar um acordo.

“A BHP obviamente quer o prêmio, mas não está disposta a assumir o risco de execução”, disse Ben Davis, analista da Liberum. “Eles estão esperando que os acionistas da Anglo estejam frustrados o suficiente com a administração para pressioná-los a aceitar isso.”

As ações da Anglo fecharam 2,4% mais baixas, em £27,07 — abaixo dos £27,53 oferecidos pela BHP, indicando que os investidores atualmente não veem o acordo seguindo em frente e não estão apostando que haverá uma oferta melhor. As ações da BHP negociadas em Londres fecharam em queda de 0,7%.

A maior mineradora do mundo está buscando comprar a Anglo por seus ativos de cobre na América do Sul. Isso faria da BHP a maior produtora de cobre, ao lado de seu amplo portfólio de minério de ferro e carvão.

A BHP melhorou sua proposta em quase 15%, oferecendo 0,8132 de suas ações para cada uma da Anglo, ante 0,7097 ações em sua abordagem inicial. Mas ainda disse que primeiro a Anglo deveria separar seus dois negócios listados na África do Sul.

A Anglo disse nesta segunda-feira (13) que está confiante em seus próprios planos para o negócio e fornecerá uma atualização aos investidores na terça-feira.

A empresa também reiterou sua rejeição à estrutura de acordo proposta pela BHP, afirmando que deixaria seus detentores com um nível desproporcional de risco. Além disso, a proposta ainda subvaloriza a empresa, disse a Anglo.

A pressão agora está sobre a Anglo para mostrar aos acionistas como pode entregar mais valor sozinha. Esses investidores incluem a Elliott Investment Management, o fundo de hedge ativista que construiu uma participação de aproximadamente US$ 1 bilhão na Anglo. Até agora, não tornou sua opinião pública.

A Anglo American tem sido há muito vista como um alvo potencial entre as maiores mineradoras, principalmente porque possui operações de cobre atraentes na América do Sul em um momento em que a maioria da indústria está ansiosa para adicionar reservas e produção. No entanto, os interessados foram desencorajados por sua estrutura complicada e pela mistura de outros produtos, do platina aos diamantes, e especialmente sua exposição profunda à África do Sul.

A Anglo enfrentou uma série de grandes contratempos ao longo do último ano, à medida que os preços de alguns de seus produtos-chave despencaram, enquanto dificuldades operacionais forçaram a empresa a reduzir suas metas de produção — diminuindo sua valoração e deixando-a vulnerável a possíveis compradores.

Os investidores desde então pressionaram por detalhes de uma revisão de negócios que o CEO Duncan Wanblad vem realizando desde meados de 2023, analisando cada mina em seu portfólio. No centro das preocupações dos investidores estão o futuro da mineradora de diamantes De Beers, a mina de fertilizantes Woodsmith que a Anglo está construindo no Reino Unido e seus negócios sul-africanos.

Se bem-sucedido, um takeover marcaria um retorno à negociação de grande escala para a BHP, que reviveu seu apetite por aquisições transformacionais nos últimos anos sob o CEO Mike Henry.

A BHP, que tem um valor de mercado de cerca de US$ 145 bilhões, tornou o cobre parte central de sua estratégia, apostando que o fornecimento terá dificuldade em acompanhar a demanda pelo metal para construir veículos elétricos, painéis solares e cabos de alta voltagem. Mas as opções de expansão da empresa em seus próprios ativos não são suficientes para compensar sua retirada dos combustíveis fósseis, criando pressão para adicionar novas minas de fora.

Um takeover bem-sucedido daria à BHP cerca de 10% da produção global de cobre. A oferta também está provocando previsões de que desencadeará uma onda mais ampla de M&A na mineração, com muitos dos rivais da BHP e da Anglo buscando seus próprios negócios de cobre.

Para você: Os principais tópicos para começar bem o dia!

Compartilhe:

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram
+ Relacionadas
Últimas

Newsletter

Fique por dentro das últimas notícias do mundo dos negócios!