Portal BEI

Montadoras anunciam investimento recorde de R$ 95 bilhões no Brasil até 2032

Fonte: Redacao IF

Com o anúncio feito pela Stellantis – dona das marcas Fiat, Jeep, Peugeot, Citroën e RAM – de que irá investir R$ 30 bilhões no Brasil até 2030, o volume de investimentos programados pelas montadoras no país alcançou a marca de R$ 95 bilhões até 2032, o maior ciclo da história.

As cifras podem ser ainda maiores. Pelos cálculos da Anfavea, entidade que representa a indústria automotiva, a previsão de aportes chega a R$ 117 bilhões até 2029.

Há dois meses, o governo Lula lançou um novo programa de apoio à indústria automotiva, o Mover, cuja regulamentação é esperada para este mês. Sucessor do Rota 2030, que terminou em dezembro de 2023, o Mover – acrônimo de Mobilidade Verde – vai liberar R$ 19,3 bilhões para as montadoras produzirem carros mais seguros e menos poluentes.

O programa, que vai até 2028, já surte efeitos, com os anúncios de investimentos pelas montadoras. Só nesta semana, em dois comunicados, o volume divulgado chega a R$ 41 bilhões, pois, além dos R$ 30 bilhões da Stellantis, a Toyota informou que deve investir R$ 11 bilhões também até 2030 para ampliação da oferta de automóveis híbridos flex. A montadora japonesa é pioneira nessa tecnologia, ao combinar um motor a combustão movido a gasolina e etanol com um elétrico, no Corolla, desde 2019.

No caso da Stellantis, os investimentos são fruto não apenas do Mover, mas também da prorrogação dos incentivos regionais, que beneficiam sua fábrica em Pernambuco. Em novembro, a governadora de Pernambuco, Raquel Lyra (PSDB), disse que a manutenção dos estímulos – conquistada pela Stellantis após uma queda de braço com Volkswagen, GM e Toyota na tramitação da reforma tributária – assegurava pelo menos US$ 1,5 bilhão (cerca de R$ 7,4 bilhões) na operação da Stellantis na cidade de Goiana.

O Mover tem o objetivo de acelerar a eletrificação no país. Previsões de consultorias como a A&M e Bright Consulting indicam que até o fim desta década metade dos automóveis vendidos no Brasil terá algum grau de eletrificação. Na indústria, porém, ainda há uma avaliação de que será difícil alcançar essa marca.

Nesta semana, o vice-presidente da República e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin, disse que é preciso recuperar a indústria.

“O Brasil teve um processo de desindustrialização precoce ocasionado por juros altos, pelo câmbio e por impostos. Precisamos de iniciativas verdes e sustentáveis para descarbonização da matriz e formação de uma indústria exportadora.”

R$ 30 bi em descarbonização

Até 2030, o grupo Stellantis vai investir R$ 30 bilhões para lançar 40 produtos, entre novos modelos e a renovação do portfólio atual, incluindo seus primeiros carros híbridos produzidos no país.

A empresa não revela ainda quanto vai investir em cada marca, mas assegura que o plano é exclusivo do Brasil, onde a Stellantis produz em Betim (MG), Porto Real (RJ) e Goiana (PE). Na Argentina, onde o grupo tem fábrica da Fiat e da Peugeot, estão previstos outros R$ 2 bilhões.

Neste ano, a montadora encerra um ciclo, iniciado em 2018, de R$ 16,2 bilhões. O novo pacote, que começa no ano que vem, prevê quatro novas plataformas (bases comuns para produção de diferentes modelos). Essas plataformas permitirão a produção de automóveis tanto híbridos flex – que combinam um motor elétrico com outro a combustão, movido a etanol e gasolina – quanto, no futuro, puramente elétricos, com baterias a princípio importadas.

A empresa anunciou que irá investir em uma tecnologia híbrida batizada de Bio-Hybrid, constituída por sistemas híbridos e híbridos plug-in (de carregamento na tomada), além de prever também o desenvolvimento de automóveis puramente elétricos. O lançamento do primeiro híbrido flex está previsto para o segundo semestre deste ano.

O anúncio do investimento foi feito primeiramente para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pela manhã, no Palácio do Planalto, pelo CEO global da Stellantis, o português Carlos Tavares. No encontro, o executivo elogiou o programa Mover – sucessor do Rota 2030 -, classificado por ele como um programa “extremamente inteligente”. Mais tarde, em entrevista coletiva à imprensa, Tavares considerou que a América Latina se tornou uma região estável, e destacou que o Brasil é hoje um país que faz esforços para estabilizar sua economia, algo fundamental para a definição de novos investimentos.

Elétricos

A Stellantis tem como meta chegar a 2030 com os carros puramente elétricos representando 20% de suas vendas no Brasil. A eletrificação do portfólio está contemplada no volume de investimentos anunciado ontem.

Mas, com o ritmo de adoção dos carros elétricos avançando mais lentamente nos mercados emergentes do que nas economias desenvolvidas, a escala de produção é limitada, o que compromete a capacidade da indústria de oferecer novas tecnologias a preços mais acessíveis.

“Estamos assistindo neste momento a uma fragmentação do mundo e uma tendência em que a regionalização está cada vez mais forte, o que não é necessariamente uma coisa boa”, comentou Tavares.

“Os europeus querem veículos elétricos; os americanos ainda estão hesitando; aqui na América Latina temos o flex fuel; obviamente que os africanos não poderão pagar pelos veículos elétricos. Portanto, são necessárias soluções específicas a cada região”, acrescentou o executivo.

A saída para popularizar os carros elétricos, emendou Tavares, seria, então, vender a tecnologia com prejuízo, o que comprometeria a saúde financeira das empresas, com consequente risco de demissões. Por outro lado, subsídios a novas tecnologias esbarram no maior endividamento dos governos após os gastos extraordinários na pandemia.

Nesse sentido, o CEO da Stellantis disse que o biocombustível brasileiro, combinado a um motor elétrico em carros híbridos, permitirá que a eletrificação aconteça de forma acessível à classe média, ao contrário de outros mercados. O motor flex representa, conforme Tavares, uma solução que é tanto “amiga” do meio ambiente quanto acessível.

Entre as tecnologias contempladas pelos novos investimentos da Stellantis, em várias etapas de descarbonização, a montadora planeja aprimorar propulsores movidos apenas pelo etanol. Em todo o mundo, o grupo investe € 50 bilhões na transição energética.

Com informações do jornal O Estado de S. Paulo

Compartilhe:

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram
+ Relacionadas
Últimas

Newsletter

Fique por dentro das últimas notícias do mundo dos negócios!