Portal BEI

O pessimismo tomou conta? BofA e Santander aumentam régua para Selic; veja projeções – Money Times

Fonte: Giovanna Castro
taxa selic bank of america juros
BofA e Santander acreditam em redução de apenas 0,25 pp nos juros em junho, com manutenção até novembro (imagem: Getty Images)

O Bank of America (BofA), em relatório assinado pela equipe de Research da América Latina, afirmou que espera que o Banco Central (BC) realize uma redução de 0,25 ponto percentual nos juros em junho, mantendo as taxas inalteradas até o final do ano, ou seja, em 10,25%.

“Acreditamos que o Banco Central irá esperar pelo Federal Reserve (Fed). Nossa taxa Selic terminal é de 9% em 2025″, afirmou o relatório, que complementou afirmando que os dados inflacionários recentes dos Estados Unidos (EUA) foram um passo na direção correta e foram recebidos positivamente pelo mercado.

O Santander Brasil também alterou suas perspectivas para a Selic terminal para 9% em 2025, quando antes era previsto um dado de 8%.

Para 2024, a expectativa para a Selic é de 9,75%, saindo da crença anterior de 9%.

“Com grau de incerteza muito elevado e balanço de risco assimétrico, temos viés altista para essa projeção, haja vista que poderá depender de medidas críveis de ajuste fiscal pelo governo para re-ancorar expectativas e se viabilizar”, afirma o relatório.

A crença também é de redução de 0,25 pp em junho, com pausa até novembro no aguardo de mais dados do Federal Reserve e influenciada por perspectivas pessimistas com relação à inflação, com as chuvas no Rio Grande do Sul pressionando as commodities nacionais.

Taxa de juros brasileira acompanha de perto economia dos EUA

O Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) subiu 0,3% em abril, desacelerando ante os dados de 0,4% do mês anterior e abaixo das expectativas do mercado de manutenção da taxa, acumulando alta anual de 3,4%.

Entretanto, o núcleo do índice, que exclui preços de itens mais voláteis como alimentos e energia, ainda está acima da meta de 2% do Fed, alcançando 3,6%.

A inflação norte-americana é acompanhada de perto pelos dirigentes brasileiros, isso porque o dado dos EUA pode levar a um aumento nas taxas de juros globais, impactando o custo do capital para o Brasil. A Selic então é alterada para conter pressões inflacionárias e manter a estabilidade financeira nacional.

Compartilhe:

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram
+ Relacionadas
Últimas

Newsletter

Fique por dentro das últimas notícias do mundo dos negócios!