Portal BEI

No conflito Israel-Irã, os dias decisivos para o petróleo quebrar a barreira dos US$ 100 – NeoFeed

Fonte: Karina Pastore

O ataque do Irã contra Israel era iminente – e esperado. Três dias antes de lançar cerca de 300 drones e mísseis em direção ao território israelense, Teerã avisou os países aliados sobre a investida.

Em reportagem exclusiva, no final da semana passada, o jornal americano The Wall Street Journal noticiou: os Estados Unidos haviam posicionado navios de guerra para proteger Israel e as forças americanas na região, contra a ofensiva do Irã, prevista entre sábado e domingo — como, de fato, ocorreu.

Como sempre acontece, quando as tensões no Oriente Médio escalam, o petróleo reagiu ao risco da represália iraniana já na sexta-feira.

Em 12 de abril, o tipo Brent, usado como referência global para o preço da commodity, subiu 1%, chegando a US$ 92,18.

O petróleo West Texas Intermediate, parâmetro para o mercado americano, por sua vez, registrou alta de 0,9% e foi a US$ 85,78, na Bolsa Mercantil de Nova York.

Em ambos os casos, são os maiores valores  desde outubro de 2023.

Até o início da noite de domingo, ainda não se sabia como Tel Aviv reagiria à ação retaliatória iraniana ¬— na madrugada de sábado, no horário de Brasília, Teerã deu a ofensiva por encerrada.

Caso a violência escale, na avaliação de alguns analistas do mercado, o barril do petróleo pode ultrapassar a barreira dos  US$ 100.

O Irã é o terceiro maior produtor da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e Aliados (Opep+), com 4,3 milhões de barris extraídos, por dia.

Por isso, o possível acirramento do conflito impacta diretamente o mercado mundial.

Mas há outro agravante.

Os estoques globais de petróleo estão baixos. Em parte, por causa das sanções impostas à Rússia, em meados de 2022, pela invasão na Ucrânia.

Além disso, em janeiro, a Opep+ prorrogou a redução na produção da commodity até a virada de junho para julho. Os cortes equivalem a cerca de 2 milhões de barris diários.

A medida foi adotada para corrigir a defasagem provocada pela queda no consumo mundial e pelo aumento na quantidade do petróleo produzido pelos concorrentes da organização.

O excesso na oferta levou o preço do barril a cerca de US$ 80, no início do ano.

Em geral, uma mudança de 1 milhão de barris na equação oferta-demanda “causa um movimento de US$ 5 nos preços para equilibrar o mercado”, disse Jay Hatfield, CEO da gestora Infrastructure Capital Advisors, à plataforma MarketWatch.

“Consequentemente, se toda a produção iraniana fosse interrompida, poderia haver um aumento de US$ 15 dólares, por barril.”

Fique Por Dentro

Já na sexta-feira, o preço do barril do petróleo Brent subiu 1%

Os estoques globais do produto estão baixos

Irã é o terceiro maior produtor da Opep

Compartilhe:

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram
+ Relacionadas
Últimas

Newsletter

Fique por dentro das últimas notícias do mundo dos negócios!