Portal BEI

Jamie Dimon: ‘provavelmente’ deixo cargo de CEO do JPMorgan em menos de 5 anos

Fonte: Redacao IF

Jamie Dimon reconheceu que provavelmente deixará o cargo de CEO do JPMorgan Chase em menos de cinco anos. Pelo menos na última década, o CEO do banco americano respondeu a perguntas sobre a possibilidade de se aposentar com a mesma resposta padrão: mais cinco anos. Nesta segunda-feira, o homem de 68 anos admitiu que o tempo finalmente começou a contar.

“O cronograma não é mais de cinco anos”, disse Dimon no dia anual do investidor do banco. Ele não deu mais detalhes sobre quando planeja sair, mas sugeriu que poderia permanecer como presidente do conselho.

O momento em si não é tão surpreendente, mas Dimon tem relutado em enfatizar isso. Em 2021, Dimon recebeu do conselho um bônus especial que ele poderia ganhar permanecendo como CEO até pelo menos 2026.

Nesta segunda-feira, ele disse que seu sucessor poderia vir de dentro das fileiras do banco, apontando para vários executivos atuais do J.P. Morgan que têm experiência de trabalho em diferentes partes do banco.

Isso inclui Jennifer Piepszak, codiretora do banco comercial e de investimento, e Marianne Lake, que atua como chefe do braço bancário de varejo. Ambas as executivas trabalharam nas divisões bancárias de negócios e de varejo e são considerados candidatas a CEO. Se Dimon precisasse de um sucessor imediato, ele teria Daniel Pinto, presidente e diretor de operações do banco.

Mas Dimon também disse que ainda se sente preparado para o trabalho.

“Ainda tenho a energia de sempre”, disse Dimon. “Acho que quando não conseguir vestir a camisa ou qualquer outra coisa completa, devo ir embora.”

Dimon assumiu o cargo de CEO do J.P. Morgan no final de 2005. Sob a sua supervisão, o J.P. Morgan tornou-se o maior banco dos EUA tanto em ativos como em depósitos, tornou-se um grande emissor de cartões de crédito e expandiu-se para cada um dos 48 estados contíguos.

As ações do J.P.Morgan se valorizaram mais de 700% desde que ele assumiu o controle, incluindo dividendos, enquanto o retorno total do S&P 500 é de cerca de 500%, segundo a Dow Jones Market Data.

Ele é o mais antigo dos maiores líderes bancários e o único remanescente que foi CEO antes da crise financeira de 2008-09. A sua obsessão em construir um “balanço-fortaleza” de capital ajudou a manter o J.P.Morgan forte durante a crise de 2008 e a crise dos bancos regionais americanos em março de 2023, permitindo ao J.P. Morgan conquistar os rivais fracassados Bear Stearns, Washington Mutual e First Republic.

Ele vem resistindo às exigências de capital mais elevadas no ano passado, por exemplo.

Ele também transformou essa estatura numa plataforma para falar sobre questões que vão além do setor bancário, incluindo política governamental, educação e educação cívica. Isso levou a dúvidas sobre se ele concorreria a um cargo público ou serviria em um gabinete. Dimon sempre disse que adorava ser banqueiro.

A aposentadoria de Dimon tem sido uma fonte de especulação sem fim e tentar adivinhar seu sucessor é um dos tópicos favoritos das conversas em Wall Street. Vários de seus assessores deixaram o cargo para dirigir outros bancos e empresas, incluindo Barclays, Wells Fargo, Visa, Standard Chartered e Teachers Insurance and Annuity Association of America.

Ele reiniciou a conversa recentemente vendendo algumas ações pela primeira vez, embora tenha dito que as vendas foram para planejamento imobiliário e não para indicar que estava saindo.

Nesta segunda-feira, Dimon dirigiu-se a uma multidão de analistas e investidores, elogiando o crescimento do banco nos últimos dez anos.

O banco disse que espera gerar US$ 91 bilhões em receita líquida de juros este ano, o valor que arrecada em empréstimos menos o que paga pelos depósitos. Isto representa mais bilhões de dólares do que o previsto anteriormente, graças à crescente probabilidade de o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) não reduzir as taxas de juro este ano.

No entanto, Dimon reiterou que estava “cautelosamente pessimista” sobre os riscos para a economia global que poderiam prejudicar o desempenho do banco, incluindo as tensões geopolíticas em Taiwan e a redução, pelo Fed, de US$ 7,7 trilhões em títulos e outros ativos em cerca de US$ 80 bilhões por mês.

Ele também disse que achava que as ações do banco estavam com preços altos e que o J.P. Morgan não usaria uma pilha de US$ 342 milhões em lucros retidos em caixa para recomprar ações. As ações do J.P.Morgan fecharam que baixa de 4,57% na Bolsa de Nova York (Nyse), a US$ 195,43, depois que Dimon fez seus comentários.

As ações do J.P. Morgan superaram muitos de seus concorrentes e subiram 27% em 2023, enquanto um índice mais amplo de ações de bancos caiu quase 5%. As ações atingiram máxima recorde na sexta-feira (17).

Com informações do Valor Pro, serviço de notícias em tempo real do Valor Econômico

Compartilhe:

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram
+ Relacionadas
Últimas

Newsletter

Fique por dentro das últimas notícias do mundo dos negócios!