Portal BEI

Indústria projeta falta de 532 mil profissionais para atender transição energética

Fonte: Redacao IF

Em 2025, o Brasil terá um déficit de 532 mil profissionais em diferentes áreas tecnológicas. Esse número é influenciado pela transição energética, que requer habilidades para lidar com a descarbonização da indústria e a mobilidade eletrificada, por exemplo.

A projeção, que faz parte de uma pesquisa da Brasscom (Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação e de Tecnologias Digitais), tem sido usada pela Ford para explicar seus investimentos em formação de mão de obra local.

A empresa norte-americana não está sozinha nesta empreitada. Montadoras, fornecedores e startups vêm desenvolvendo programas de treinamento para, além de capacitar jovens trabalhadores, atrair talentos.

A Gi Group Holding, multinacional com foco em estudos sobre mercado de trabalho, entrevistou 6.700 profissionais da indústria automotiva em 11 países. O objetivo era saber quais são as competências mais cobiçadas por suas empresas.

No Brasil, 53% dos ouvidos afirmaram desejar mão de obra que saiba lidar com tecnologias de veículos elétricos. A média global ficou em 35,1%. Os conhecimentos para trabalhar com IA (inteligência artificial) e machine learning foram mencionados por 40% dos entrevistados no país – novamente acima da média (33,6%).

“O déficit já era algo esperado, mas acabou sendo potencializado devido à modernização dos veículos, que receberam itens de segurança e sistemas autônomos”, diz Djansen Alexandre Dias, gerente da divisão de indústria na Gi Group Holding.

“Esse movimento já vinha acontecendo há algum tempo, e calhou de, no mesmo momento, ter início a eletrificação dos veículos em meio à transição energética.”

Para as empresas, o momento é de reconquista. “O setor automotivo vive esse desafio e compete com fintechs e startups”. Afirma Dias.

“Além disso, a pandemia acelerou o processo de globalização da mão de obra especializada por meio do trabalho remoto. A consequência é que o Brasil não é o mais atrativo em termos de salário, então os profissionais moram aqui e trabalham para outros países.”

Programas de formação

Daí vem a importância de as fabricantes oferecerem programas de formação.

Além de mostrarem que a demanda por mão de obra, mesmo no nível técnico, não se limita às linhas de produção tradicionais.

“Existe essa concorrência com startups, e às vezes nem há como competir, temos a questão da moeda. Mas o que nós fazemos é demonstrar que não somos somente uma montadora de veículos, somos também uma desenvolvedora de veículos”, diz Márcio Tonani, vice-presidente sênior dos centros técnicos de engenharia do grupo Stellantis para a América do Sul.

O executivo afirma que a formação de profissionais é uma característica das montadoras, e que a eletrificação, embora não seja exatamente uma novidade, traz outros pontos que exigem capacitação.

“A indústria evolui tecnologicamente com o carro elétrico, embora esse automóvel seja até mais velho que outros. Mas há outras etapas do desenvolvimento, que envolvem redução de peso, baterias, pneus e aerodinâmica.”

A empresa tem parcerias com instituições de ensino superior e técnico em diferentes estados, como a UFPE (Universidade Federal de Pernambuco), a Unicamp (Universidade de Campinas) e o CIT Senai (Centro de Inovação e Tecnologia, em Minas Gerais).

“Promovemos seminários para despertar o interesse sobre o quanto a indústria automotiva é tecnológica. Ministramos cursos dentro das grandes faculdades de engenharia e parcerias vão sendo criadas, como as desenvolvidas com a Bosch e a ZF”, afirma Tonani, citando dois dos principais fornecedores de componentes eletrônicos do setor.

Mão de obra nas faculdades

Portanto, a mão de obra que começa a ser formada nas faculdades e nos cursos técnicos não é voltada exclusivamente para as montadoras.

No caso da Ford, por exemplo, os jovens capacitados no programa Enter, lançado em 2023, são direcionados para o mercado de trabalho por meio da parceria com o Senai-SP.

“É uma grande oportunidade para nós, temos pessoas que foram treinadas e hoje são nossas estagiárias. Ficamos de olho nos talentos, mas não é só para a Ford”, diz Rogelio Golfarb, vice-presidente da montadora na América do Sul.

Montadora estima produzir dois milhões de veículos elétricos por ano até 2026. Foto: Divulgação

Em seu primeiro ano, o programa Ford Enter ofereceu 200 vagas na área de tecnologia da informação e teve mais de 9.000 inscritos. A montadora afirma que cerca de 50% dos egressos das duas primeiras turmas já foram inseridos no mercado de trabalho, e a maioria seguiu com os estudos, segundo a empresa.

Embora não tenha mais fábricas de automóveis instaladas no Brasil, a montadora americana mantém centros de pesquisa e desenvolvimento globais em São Paulo e na Bahia, além de empregar cerca de 1.500 engenheiros no país.

O público-alvo da Ford é formado por jovens de baixa renda que têm dificuldade em acessar os cursos de formação que envolvem as habilidades mais desejadas pela indústria atualmente.

“As tendências de contratações indicam que, nos próximos cinco anos, haverá maior demanda no mercado automotivo brasileiro por especialistas em tecnologia da informação e engenheiros automotivos, ambos empatados com 47%, seguidos por designers automotivos (34%)”, diz o estudo divulgado pelo Gi Group Holding.

Apesar de os dados da pesquisa mostrarem um cenário positivo quando analisados como oportunidades de emprego, as informações divulgadas pela Ford ao apresentar o programa Enter são preocupantes.

Com base em uma pesquisa do ManpowerGroup, o material preparado pela empresa mostrou que o Brasil está entre os dez países com maior dificuldade em preencher vagas qualificadas, principalmente no segmento de tecnologia da informação.

Dificuldade para encontrar profissionais

A Ford cita ainda um estudo da Amcham publicado em dezembro de 2023, que entrevistou 153 empresas. Dessas, 97% relataram dificuldades para contratar profissionais capacitados na área de tecnologia, sendo que 37% disseram ter muita dificuldade.

Ainda segundo esse levantamento, 25% das companhias relataram que a falta de capacitação é a maior dificuldade para contratação de profissionais em áreas relacionadas a tecnologias.

Com a transição energética em curso, jovens profissionais que possuam as habilidades demandadas tendem a ser aproveitados em vagas que, antes, estariam nas operações fabris.

Mas para que isso ocorra, é necessário que a formação e o parque tecnológico da indústria nacional evoluam.

“Vemos muitos estrangeiros nas grandes empresas do Brasil. Por quê? Por falta de formação”, diz Valter Pieracciani, sócio-fundador da empresa especializada em gestão que leva o seu sobrenome.

“O programa Mover (Mobilidade Verde e Sustentabilidade) talvez promova a relocalização de linhas de produção e preserve empregos, mas não dá para ter essa relocalização com baixa produtividade. Em vez de sermos produtivos em enormes volumes, podemos ser competitivos em pequenos volumes e desenvolvendo tecnologias a etanol, por exemplo”, afirma o especialista.

“O cenário de 2035 não é de eletrificação plena, e não seremos campeões de carros elétricos no mundo. Teremos uma combinação de várias soluções juntas, como o hidrogênio verde, o biodiesel e o carro híbrido flex. Eu apostaria no que fazemos bem, e se pelo menos algumas das novas tecnologias não forem brasileiras, não teremos empregos.”

Para Francisco Tripodi, sócio-diretor da Pieracciani, há ações de capacitação elencadas no programa Mover, que estão ligadas, principalmente, ao setor de autopeças.

“Estão terceirizando para as empresas beneficiárias do programa, mas acredito que seria mais estruturante que (os incentivos) fossem direcionados também para as instituições de ensino que promovem a formação (dos profissionais)”, afirma Tripodi.

Segundo o Mdic (Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços), a capacitação de mão de obra – por meio de treinamentos, cursos profissionalizantes, graduação e pós-graduação – está incluída nas etapas de pesquisa e desenvolvimento elegíveis para a apuração de créditos financeiros.

Na regulamentação do Mover, publicada no dia 26 de março, o ministério destaca programas de residência tecnológica e parcerias entre empresas e instituições de ensino de diferentes níveis (com inserção no mercado de trabalho por meio de estágio, por exemplo) como parte das atividades que podem ser consideradas para concessão de benefícios tributários.

Com informações do Valor Pro, serviço de notícias em tempo real do Valor Econômico

Compartilhe:

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram
+ Relacionadas
Últimas

Newsletter

Fique por dentro das últimas notícias do mundo dos negócios!