Portal BEI

Fusão Cobasi e Petz (PETZ3): o que você precisa saber sobre o acordo anunciado

Fonte: Aluisio Alves

A Petz (PETZ3) anunciou nesta sexta-feira (19) que assinou acordo para possível combinação dos negócios com a maior rival, a Cobasi.

A união criaria uma gigante de produtos e serviços para animais de estimação, com receita bruta de R$ 6,9 bilhões por ano e 483 lojas.

Mas qual os possíveis impactos do negócio para o mercado concorrencial e para os acionistas da Petz (PETZ3)?

A Inteligência Financeira preparou um pequeno guia para ajudar a entender a operação.

Qual o sentido da fusão Cobasi-Petz (PETZ3)?

Embora estejam entre as maiores do setor, Cobasi e Petz (PETZ3) detêm, juntas, menos de 10% do mercado de produtos pet no Brasil.

Ou seja, o setor é bastante fragmentado. E quem conseguir maior escala tem condições competitivas destacadas.

Ser competitivo em eficiência e preço tende a ser determinante para o sucesso num mercado que pode crescer, mas também se concentrar.

Com uma fusão, parte do esforço hoje destinado para concorrer uma contra a outra será convertido em força para enfrentar rivais menores.

“Hoje a gente gasta recursos numa batalha que hoje sangra as companhias”, explicou o presidente-executivo da Petz, Sergio Zimermam, em teleconferência com analistas após o anúncio do acordo.

Com a união, “o retorno sobre o capital fica muito mais interessante”, acrescentou.

Qual é a proposta?

A Cobasi é um pouco maior e está oferecendo aos acionistas da Petz o valor de R$ 7,10 por ação.

Isso é mais do que o dobro do que os R$ 3,50 da cotação de fechamento de PETZ3 na quinta-feira (18).

Além disso, a Cobasi ainda pagará R$ 450 milhões em dinheiro, distribuídos entre os acionistas da Petz.

No modelo proposto, os acionistas da Cobasi e da Petz terão metade do capital da companhia combinado.

O conselho de administração terá nove membros, 4 indicados pela Petz, 5 pela Cobasi.

Adicionalmente, Paulo Nassar, presidente-executivo da Cobasi, será o CEO da nova companhia, enquanto Zimerman ocupará a presidência do conselho.

Acordo da Petz (PETZ3) vai passar no Cade?

Primeiramente, não é certo que a fusão vai acontecer. O acordo anunciado é um memorando não vinculante (MOU, na sigla em inglês).

De imediato, isso apenas significa um acordo de intenções. Ele determina um prazo de 60 a 90 dias de negociações exclusivas.

Esse é o período que cada empresa terá para conhecer mais a fundo a operação da rival. Se mantiverem o plano, oficializam o plano de fusão.

Não há multa prevista a ser paga por nenhuma das empresas caso desistam do negócio.

A seguir, a operação é submetida ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

O órgão pode aprovar o negócio, se considerar que ele não é um risco para a concorrência.

Alternativamente, o Cade pode aprovar a transação com condições, que podem envolver por exemplo a obrigação de a empresa combinada vender alguns ativos.

No limite, a instituição pode rejeitar a fusão. Mas Zimerman se mostrou otimista com a aprovação.

“Pode haver algum tipo de remédio, em alguma cidade específica, mas nada que deveria preocupar o rumo do negócio”, disse.

Parte do mercado, porém, vê alguma chance de o Cade impor algumas restrições.

“A possível redução do espaço para outras empresas (…) pode ser vista como um desafio pelo Cade”, afirmou Gustavo Cruz, estrategista-chefe da RB Investimentos.

Sérgio Zimerman, CEO da Petz, Petz e plano de saúde animal, hospitais rede Petz, Plano de saíde Petz
Sergio Zimerman, CEO da Petz. Foto: Divulgação

Petz vai sair da bolsa? Empresa vai mudar de nome?

Zimerman negou planos para deslistar a Petz da B3. “Não haverá fechamento de capital da empresa combinada”, disse ele na teleconferência.

O executivo disse ainda ser cedo para calcular possíveis ganhos de economia de custos com a União.

Além disso, revelou que o plano é manter as marcas Cobasi e Petz após a fusão.

“Espero repetir o sucesso da fusão Raia Drogasil (RADL3)”, disse ele.

O executivo sublinhou a participação do atual presidente do conselho da Petz, Claudio Ely, no processo.

Ely foi CEO da Drogasil e liderou a fusão dela com a Raia, formando a maior rede de farmácias do Brasil.

Qual a visão do mercado?

Após o anúncio, PETZ3 disparava quase 40% na B3 por volta das 12h40 (horário de Brasília), valendo R$ 4,88. No mesmo horário, o Ibovespa subia 0,86%.

Alguns analistas apontaram que uma união com a Cobasi pode ser um catalisador para a ação, considerando o histórico difícil dos últimos anos.

A Petz estreou na B3 em setembro de 2020, cotada a R$ 13,75 por ação.

Desde então, o papel perdeu cerca de 3/4 do valor, refletindo uma piora global do mercado de ações, mas também dificuldades do grupo em consolidar aquisições que fez nos últimos anos.

Compartilhe:

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram
+ Relacionadas
Últimas

Newsletter

Fique por dentro das últimas notícias do mundo dos negócios!