Portal BEI

A dança financeira nos tempos da inteligência artificial

Fonte: ion Itau

Fevereiro, o mês em que a alegria carnavalesca colore o país, guarda consigo mais do que serpentinas e ritmos envolventes. Foi também neste mês, há 88 anos – em 5 de fevereiro de 1936 – que as telas ganharam vida com o lançamento de “Tempos Modernos”, obra-prima de Charlie Chaplin, cuja visão cinematográfica capturou a apreensão e os desafios da era industrial. Também no mesmo mês, em 1922, a Semana de Arte Moderna no Brasil sacudiu os alicerces das tradições artísticas, sendo recebida com desconforto por muitos. 

O filme de Chaplin personificou os temores da sociedade diante dos tempos modernos. A industrialização acelerada, simbolizada pelo personagem engolido pelas engrenagens, refletiu a preocupação com a desumanização e alienação causadas pelo avanço tecnológico. Apreensões que ressoam em muitos de nós, mesmo décadas depois. 

Inteligência artificial é a nova revolução

Assim como os artistas tradicionais resistiram à Semana de Arte Moderna, enfrentamos hoje uma nova revolução: desta vez no campo financeiro, com a ascensão da inteligência artificial (IA).

O desconhecido muitas vezes assusta, e a IA não é exceção.

No entanto, assim como a arte moderna abriu caminho para uma expressão mais autêntica, a IA também oferece possibilidades transformadoras.

Para os planejadores financeiros, a IA não é apenas uma ferramenta, mas uma aliada na análise de dados complexos, na personalização de estratégias de investimento e na otimização de processos.

A inteligência dos robôs traz uma eficiência sem precedentes, permitindo uma assessoria mais focada no cliente e informada por insights preditivos.

Para cada indivíduo, a IA oferece oportunidades de aprimorar sua saúde financeira. Aplicativos de orçamento automatizado, assistentes virtuais financeiros e chatbots para suporte rápido são apenas algumas maneiras de aproveitar essa tecnologia para tomar decisões mais conscientes e alcançar metas financeiras.

À medida em que contemplamos o novo, é natural sentir uma pontada de receio, assim como os artistas tradicionais sentiram diante da Semana de Arte Moderna.

No entanto, é vital lembrar que a evolução é inerente à nossa jornada.

A adoção de novas ideias e tecnologias não apenas impulsiona o progresso, mas cria um terreno fértil para inovações que moldam nosso futuro.

Assim como a arte moderna transformou a cena cultural, a inteligência artificial tem o potencial de revolucionar positivamente nosso relacionamento com as finanças.

Novas oportunidades

Em cada novo desafio, há uma oportunidade de crescimento.

Ao abraçar o novo, encontramos a chave para desbloquear o potencial inexplorado que reside em cada passo adiante.

O futuro financeiro, assim como as telas de Chaplin e os palcos da Semana de Arte Moderna, aguarda ansiosamente por quem está disposto a dançar ao ritmo dos novos tempos.

*Texto de Martin Iglesias, CFP e colunista do íon. Para ler este e outros conteúdos, acesse ou baixe o app agora mesmo.

Compartilhe:

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram
+ Relacionadas
Últimas

Newsletter

Fique por dentro das últimas notícias do mundo dos negócios!