Portal BEI

Micro e pequenas empresas são responsáveis por 6 em cada 10 empregos gerados neste ano, diz pesquisa

Fonte: Redação

Seguindo uma tendência já registrada nos últimos anos, as micro e pequenas empresas lideraram a geração de empregos nos primeiros meses de 2024. De janeiro a abril, os micro e pequenos negócios foram responsáveis por 61,3% do total acumulado de empregos criados no Brasil, o equivalente a 588.133 novas vagas. O número corresponde a um aumento de 18,9% nas contratações em relação ao mesmo período de 2023.

Os dados foram compilados pela Serasa Experian e divulgados nesta terça-feira (19/6) no boletim Empreender Brasil – Inteligência de Mercado para MPMEs, que considera dados públicos sobre o perfil das micro, pequenas e médias empresas brasileiras combinados com informações e análises proprietárias da companhia.

Para Luiz Rabi, economista da Serasa Experian, a geração de empregos entre os pequenos negócios é resultado da tendência de expansão da economia, estimulada principalmente pelo aumento do consumo. Segundo Rabi, o cenário se reflete sobretudo no setor de comércio, que lidera entre os segmentos com maior número de micro e pequenas empresas.

De acordo com o levantamento, 20 segmentos concentram quase 40% do total de negócios ativos na categoria. O comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios ocupam o primeiro lugar, com mais de um milhão MEs e EPPs ativas.

Demanda por crédito e score CNPJ

Segundo o boletim, a demanda das micro e pequenas empresas por crédito avançou 15,3% em abril de 2024 em comparação com o mesmo mês do ano passado. Para Rabi, a busca por crédito também é reflexo da expansão econômica, além da redução gradual das taxas juros.

Acompanhando o aumento da demanda, a oferta de crédito também cresceu. Em abril de 2024, o total de crédito concedido pelo Sistema Financeiro Nacional (SFN) às micro, pequenas e médias empresas atingiu pouco mais de R$ 1 trilhão, o que representa um crescimento de 5,5% em relação a abril de 2023.

Apesar das condições de acesso a crédito terem melhorado desde a segunda metade de 2023, segundo a pesquisa, o número de empresas que podem ter o acesso dificultado por uma baixa pontuação do Score CNPJ ainda é alto. Usada como ferramenta de análise de crédito voltada para pessoas jurídicas, essa métrica, que vai de zero a mil, indica a reputação de uma empresa no mercado a partir de seus comportamentos financeiros.

De acordo com Cleber Genero, vice-presidente de PME da Serasa Experian, uma pontuação acima de 600 leva a empresa a ter maiores chances de acesso ao crédito, além de melhores condições. Segundo o boletim, apenas 13,4% das micro e pequenas empresas têm score superior a 600 pontos.

Na divisão por segmento de atuação, o comércio apresenta a melhor pontuação, com 20,2% das empresas com pontuação superior a 600. Pela análise regional, a região Sul conta com o maior percentual de pontuações positivas, com destaque para Santa Cantarina, Paraná e Rio Grande do Sul.

Para Genero, três passos essenciais podem auxiliar os empreendedores a melhorar o Score CNPJ: separar as contas da pessoa física e jurídica; disponibilizar e manter atualizadas as informações do cadastro positivo; e manter a eficiência operacional do fluxo de caixa, evitando ao máximo o atraso no pagamento de contas.

Compartilhe:

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram
+ Relacionadas
Últimas

Newsletter

Fique por dentro das últimas notícias do mundo dos negócios!