Portal BEI

4 hábitos que destroem a memória enquanto envelhecemos, segundo neurocientista

Fonte: Redação

Com o passar dos anos, muitas pessoas têm mais dificuldade para memorizar informações importantes e pensam que se tornaram menos inteligentes por causa disso. Porém, parte desses lapsos de memória poderiam ser evitados se ao longo da vida alguns hábitos fossem retirados da rotina.

Essa é a tese sustentada por Charan Ranganath, diretor do Laboratório de Memória Dinâmica da Universidade da Califórnia, nos EUA. O neurocientista estudou o cérebro humano por 25 anos e definiu quais são os quatro comportamentos que “destroem a memória” à medida que o corpo envelhece.

Os hábitos nocivos foram listados pelo especialista em sua coluna do site da CNBC Make It. Veja quais são eles:

1. Ter excesso de tarefas

Ranganath explica que o cérebro conta com uma área chamada córtex pré-frontal, responsável por prestar atenção em tudo ao redor. Naturalmente, essa função diminui com o tempo. No entanto, se a pessoa tem uma rotina multitarefas, com atividades em excesso, o prejuízo ao foco é ainda maior.

“Isso prejudica a memória e penaliza a função do córtex pré-frontal, impactando negativamente os recursos que normalmente nos ajudariam a formar memórias fortes”, explica.

Como abandonar esse hábito — O especialista orienta que sejam delimitados tempos específicos para cada tarefa. Além disso, vale também incluir na rotina pausas para meditação e para caminhadas ao ar livre.

2. Não priorizar o sono de qualidade

Por uma série de razões, a quantidade e a qualidade do sono diminuem com a idade. Segundo o especialista, o problema pode ser agravado ainda mais quando inibidores do sono são ingeridos, como medicamentos e álcool, sem que o descanso seja priorizado.

Como abandonar esse hábito — A privação de sono é devastadora para o córtex pré-frontal e prejudica a memória. Por isso, o neurocientista aconselha que seja evitada a exposição às telas, e também a ingestão de refeições pesadas e de bebidas como café e álcool antes de dormir.

3. Praticar atividades monótonas

Para ter boas lembranças associadas a momentos felizes e afetuosos, é preciso que esses momentos sejam, de fato, vividos. Por isso, é preciso diversificar a rotina e ter experiências extraordinárias que possam ser lembradas, evitando que o cotidiano seja completamente focado em atividades monótonas.

Como abandonar esse hábito — Passar a semana lendo e-mails e vendo vídeos nas redes sociais não é a melhor maneira de criar momentos memoráveis. Ranganath sugere fazer passeios além do refeitório da empresa, passar tempo com pessoas diversas e ir a lugares diferentes, para criar oportunidades de construir memórias duradouras.

4. Confiar demais na própria memória

Nem sempre o cérebro vai guardar uma informação importante sem a ajuda de um método ou acessório externo, como exercícios de memorização, por exemplo. O neurocientista explica que é importante não confiar demais na própria memória e é necessário considerar que não se consegue reter todas as informações.

Como melhorar esse hábito — Em vez da memorização mecânica, o especialista orienta que, alguns minutos depois de se aprender algo, esse conhecimento seja testado. Isso pode ser repetido uma hora depois e em outros momentos, de forma alternada. “Quanto mais você espaçar essas tentativas, melhor [para a memória]’’, afirma Ranganath.

Compartilhe:

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram
+ Relacionadas
Últimas

Newsletter

Fique por dentro das últimas notícias do mundo dos negócios!