Portal BEI

Itaú Unibanco investe R$ 3,1 bi em segurança e bem-estar financeiro

Fonte: Jessica Chalegra

Durante datas comemorativas, como o Dia das Mães, Black Friday e Natal, as atividades de compra e venda online aumentam significativamente. Com isso, acontece uma maior exposição aos riscos cibernéticos. Neste contexto, o Itaú Unibanco criou estratégias e dicas essenciais para mitigar esses riscos e garantir transações seguras no e-commerce. Com a crescente sofisticação das fraudes digitais, é fundamental que consumidores e comerciantes estejam informados sobre as melhores práticas de segurança online. Assim, torna-se possível proteger dados pessoais e financeiros, para evitar golpes e assegurar uma experiência de compra mais tranquila e segura durante essas épocas de alta movimentação no comércio eletrônico.

De acordo com dados recentes da Serasa Experian, das quase 10 milhões de tentativas de fraudes registradas em 2023, mais de quatro milhões ocorreram em maio, o mês das Mães. Durante esse período, é comum que criminosos utilizem páginas falsas que simulam e-commerces, enviem promoções inexistentes por e-mails, SMS e mensagens de WhatsApp, e criem perfis falsos que investem em publicidade para aparecer em páginas de busca e stories de redes sociais. Diante dessa realidade, o Itaú Unibanco investiu, apenas em 2023, R$ 3,1 bilhões em negócios e tecnologia com o objetivo de promover a segurança e o bem-estar financeiro de seus clientes.

“No Itaú Unibanco, segurança é prioridade. Por esta razão, atuamos de forma preventiva, e em diversas frentes, para proteger nossos clientes contra tentativas de golpes e fraudes”, comenta Richard Bento, superintendente de Segurança Corporativa do Itaú Unibanco. “Além de realizar campanhas e ações permanentes de comunicação e conscientização, também investimos constantemente em tecnologia e uso de dados para a criação de novas ferramentas de segurança”.

Dicas no Itaú para evitar fraudes no e-commerce

De acordo com o executivo, uma medida importante para evitar fraudes online é fazer o monitoramento de transações para detectar atividades suspeitas, como transferências de grandes quantias para contas desconhecidas ou compras fora do padrão de comportamento do cliente. É importante ainda ativar a autenticação multifatorial, exigindo múltiplos fatores de autenticação, como senha, token dinâmico ou reconhecimento biométrico. Isso reduz significativamente o risco de acesso não autorizado às contas bancárias online.

Richard Bento, superintendente de Segurança Corporativa do Itaú Unibanco.

Dentro do Itaú Unibanco, algumas atitudes são tomadas para evitar que os clientes sejam vítimas de fraudes no e-commerce, como a colaboração com autoridades e parceiros para compartilhar informações e melhores práticas de segurança, além de colaborar em investigações de possíveis fraudes. Além disso, a instituição promove a educação do cliente através de campanhas de conscientização, fornecendo orientações sobre como reconhecer e evitar golpes. São ainda enviadas notificações de compra por SMS, permitindo que os consumidores acompanhem as transações em tempo real diretamente na tela de seus celulares.

Foi ainda introduzido um recurso de programação que alerta os clientes sobre compras futuras, que ajuda a evitar que transações pareçam suspeitas. Já a confirmação de compras previne transações suspeitas através do bloqueio automático do cartão, e garante que apenas as autorizadas sejam processadas, protegendo assim as contas de clientes. Foi ainda criada uma funcionalidade de alertas sobre transações financeiras suspeitas por meio do WhatsApp. Com ela, os donos de contas podem verificar a natureza das transações diretamente pelo aplicativo de mensagens e, em caso de suspeita de fraude, têm a opção de bloquear os cartões associados à conta.

“Além das iniciativas promovidas pelo Itaú Unibanco, é muito importante que os clientes estejam atentos a qualquer movimentação suspeita envolvendo transações bancárias. Caso identifique algo fora do normal, o primeiro passo é a revisão do extrato bancário para garantir que todas as transações sejam reconhecidas e autorizadas. Os clientes devem estar atentos aos detalhes de cada transação em seus extratos, desde o nome do estabelecimento até a data, o valor e o método de pagamento. Qualquer discrepância ou transação não reconhecida deve ser investigada imediatamente para evitar possíveis fraudes”, frisa.

O executivo pontua que, se um cliente suspeitar de uma transação fraudulenta em sua conta, é imprescindível que entre em contato com o banco assim que possível. Isso pode ser feito por meio do serviço de atendimento ao cliente do banco, que está disponível 24 horas por dia, sete dias por semana. Quanto mais cedo o Itaú Unibanco for notificado, mais rápido poderá agir para proteger a conta do cliente contra fraudes no e-commerce.

“Ao entrar em contato com o banco, o cliente deve fornecer o máximo de detalhes possível sobre a transação suspeita, incluindo informações como a data, o valor, o nome do estabelecimento e qualquer outra informação relevante. Durante a investigação, é importante que o cliente coopere totalmente com o banco, fornecendo qualquer informação adicional que possa ser solicitada e seguindo as instruções fornecidas pela equipe de segurança do banco”, reforça.

Passo a passo

Ele ainda pontua algumas dicas do Itaú Unibanco para que os consumidores estejam sempre atentos às diversas tentativas de golpes e fraudes existentes no mercado:

Passo 1: o cliente deve desconfiar de mensagens suspeitas, seja por SMS ou aplicativos de comunicação. Se a mensagem vem de um contato desconhecido ou possui um tom ameaçador ou bom demais para ser verdade, é melhor evitar. Ofertas com preços excessivamente baixos, especialmente aquelas que só aceitam PIX ou boleto como pagamento, são alertas importantes. Se optar pelo boleto, vale verificar se todas as informações do beneficiário antes. Não é indicado clicar imediatamente em links ou anexos, pois podem levar a sites falsos ou infectar seu dispositivo com vírus.

Passo 2: independentemente do meio de comunicação, leia atentamente. É importante verificar se o remetente corresponde à organização representada e observe erros de ortografia, que podem indicar phishing. Nunca é indicado inserir o número do cartão sem verificar se o endereço é autêntico. É válido conferir se a URL corresponde ao site oficial da loja ou empresa. Ao digitar URLs, o cliente deve optar por acessar diretamente pelo navegador. Em promoções, digitar o site oficial e procurar pela oferta. Se não estiver lá, é provável que seja um golpe. Devem ser priorizadas as compras em lojas virtuais conhecidas e com boa reputação.

Passo 3: o consumidor deve adotar medidas de proteção em seus dispositivos e aplicativos. É indicada a instalação de um antivírus confiável, com a ativação de autenticação de dois fatores sempre que possível. Devem ser mantidos sistemas, navegadores e antivírus atualizados, além de serem feitos backups regularmente e trocas de senhas com frequência. Deve ser considerado bloquear o uso do cartão físico para compras online e optar pelo cartão virtual.

Foto: Shutterstock.com

Compartilhe:

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Telegram
+ Relacionadas
Últimas

Newsletter

Fique por dentro das últimas notícias do mundo dos negócios!